sábado, 27 de abril de 2013

quinta-feira, 25 de abril de 2013

Fica aqui registado o meu 25 de Abril de 2013. Por estas bandas há apenas um único feriado de carácter revolucionário: o dia da reforma. Todos os outros feriados sao religiosos (no sentido de místicos, como pentecostes e a sexta feira santa) ou de cariz institucional (como o dia da reunificacao). Diz muito de um regime o facto da reunificacao da alemanha se celebrar no dia em que se assinou o tratado de anexacao dos chamados novos länder e nao na noite em que caiu o muro e o povo saiu à rua para comprar bananas. Compare-se com o 25 de Abril, que para além de ter sido a grande revolucao que levou escola e saúde e seguranca social a muitos milhoes, foi também uma revolucao que nao ficou a dever nada a ninguém. Cumpriu-se naquilo em que se devia cumprir, e aí se tem a verdadeira dimensao da efeméride. O povo nao saiu à rua para ir às compras ao ocidente, ou sequer para reclamar liberdade económica. O povo saiu à rua para reclamar a verdadeira liberdade, aquela que distingue uma vida boa de uma vida má. O mercado livre que vá para o diabo! Uma revolucao a sério é o 25 de Abril.
ainda que andem por aí uns cartazes do 25 de abril II, normalmente com o "com jeito, vai", nada como atirar ao ar um 25 de abril sempre.

é estranha esta tendência: em 2001, foi a coligação psd/pp que mudou o nome ao 25 de abril, com a palavra de ordem abril é evolução. agora vem de qualquer coisa que diríamos estar na extrema esquerda, seja isso lá onde for.

é preocupante. tão preocupante quanto ouvir os militares a dizer que estão preparados para sair à rua. tenho  sempre algum receio de não saber o que vem atrás disso. é que a origem do 25 abril até foi, em história cortada às postas e mal atada, o 28 de maio.  

quarta-feira, 24 de abril de 2013

a troika chegou ao futebol. objectivamente, e zeus sabe como eu odeio a equipa de munique, os espanhois levaram um banho de bola que lhes vai ficar na memória por uns anos. Até me pergunto se não haverá consequencias políticas a tirar dos jogos desta semana.

sábado, 20 de abril de 2013

Mrs T e o discípulo PPC:

"- I know what you're thinking. "Did he fire six shots or only five?" Well, to tell you the truth, in all this excitement I kind of lost track myself. But being as this is a .44 Magnum, the most powerful handgun in the world, and would blow your head clean off, you've got to ask yourself one question: "Do I feel lucky?" Well, do ya, punk?"

organizar, organizar, organizar, e deixar a Mrs T para trás. organizar organizar organizar e deixar a Mrs T para trás. organizar organizar organizar e deixar a Mrs T para trás organizar organizar organizar e deixar a Mrs T para trás organizar organizar organi

Boston e Mrs T ou ador' q'and'um plan' dá cert'

mas qu'é iss'moç'? o árab'é tã-português com'o port'guês é cortad'd'árabe, moç'. com'é moç'? é assim m'nin'.

I like doin' the ill thing, 'cause ain't nothin' like the real thing.

escrever em. outro dia percebi que escrever em.

ceder ao primeiro impulso na primeira pessoa. outro dia percebi que escrever em. tão simples quanto escrever em.

uma outra vez. o grau zero da escrita.

o último ano e meio passou depressa de mais. o meu último ano e meio passou depressa de mais.

eu gosto de fazer a coisa doente porque não há nada como a coisa real.

ups? que tradução é esta?  eu gosto de fazer a coisa doente porque não há nada como a coisa real.

sobre, acerca de, relativo a: a coisa real. enfiada na individualidade. o grau zero da escrita.

Mrs T ou adoro quando um plano dá certo. 

Mrs T ou adoro quando um plano dá certo

e repetido e repetido e repetido.
depois d'A Cabra Está Morta, A Estrela.
Bem dita sejas Mrs T, também contigo o mundo se tornou mais interessante.
A Mãe, a Filha, a Avó. E tudo e tudo!
Longa vida à Mrs T. Primeira intérprete da piada mais longa do tempo curto.
(e no final estamos cá para aplaudir. a vida ou a morte, tanto faz.)





Star A.D.

See tomorrow dreamin'
You don't need your freeom

Star A.D.

A little joke that's understood
All over the world
A little joke that's understood
It's all over and over and over and over

And dying is dry -
Like a fact of history
And when you die, you'll become something worse
Than dead -
You'll become
A legend

We are forever

sexta-feira, 19 de abril de 2013

Uma tragédia para a ciência em geral e para mim em particular.... http://en.wikipedia.org/wiki/Envisat#Loss_of_contact

quinta-feira, 18 de abril de 2013


até que é uma hora bem passada. não consegui descobrir legendas para o careca foucault, mas com jeitinho e andando para trás de vez em quando até se percebe. divirtam-se, que a partir daqui há pano para camisas de gigante.
dizia eu que já não há remédio para o mercado de licencas de emissão de co2. Mesmo que a resolucao de ontem tivesse passado, já nada daria credibilidade a licencas de emissão transaccionadas ao preco do quilo de batata. Isto para nao ir aos efeitos da recessão na europa e da contracão da indústria. Um flop do início ao fim que logo por princípio nem devia ter comecado: não se entrega aos mercados um problema tão grave como o da regulacão das emissões de carbono para a atmosfera. Eram outros os tempos pré-Lehman Brothers.

quarta-feira, 17 de abril de 2013

apetece-me partir a televisão...

...quando assisto a um debate em que se discute o investimento de 4 mil milhões de euros em novos infantários na alemanha. Por estes dias anda o governo português a planear CORTAR 4 mil milhões de euros à educacão, saúde e seguranca social, sectores mais conhecidos por "gorduras". Prioridades...

terça-feira, 9 de abril de 2013

Não é fechando o país que se resolvem os problemas do país 1. Por despacho do ministro das Finanças, de 8 de Abril de 2013, o Governo decidiu fechar o país e bloquear o funcionamento das instituições públicas: ministérios, autarquias, universidades, etc. O despacho é uma forma de reacção contra o acórdão do Tribunal Constitucional, como se explica logo na primeira linha. O Governo adopta a política do “quanto pior, melhor”. Quem, num quadro de grande contenção e dificuldade, tem procurado assegurar o normal funcionamento das instituições, sente-se enganado com esta medida cega e contrária aos interesses do país. 2. Todos sabemos que estamos perante uma situação de crise gravíssima. Mas é justamente nestas situações que se exige clareza nas políticas e nas orientações, cortando o máximo possível em todas as despesas, mas procurando, até ao limite, que as instituições continuem a funcionar sem grandes perturbações. O despacho do ministro das Finanças provoca o efeito contrário, lançando a perturbação e o caos sem qualquer resultado prático. 3. É um gesto insensato e inaceitável, que não resolve qualquer problema e que põe em causa, seriamente, o futuro de Portugal e das suas instituições. O Governo utiliza o pior da autoridade para interromper o Estado de Direito e para instaurar um Estado de excepção. Levado à letra, o despacho do ministro das Finanças bloqueia a mais simples das despesas, seja ela qual for. Apenas três exemplos, entre milhares de outros. Ficamos impedidos de comprar produtos correntes para os nossos laboratórios, de adquirir bens alimentares para as nossas cantinas ou de comprar papel para os diplomas dos nossos alunos. É assim que se resolvem os problemas de Portugal? 4. No caso da universidade, estão também em causa importantes compromissos, nomeadamente internacionais e com projectos de investigação, que ficarão bloqueados, sem qualquer poupança para o Estado, mas com enormes prejuízos no plano institucional, científico e financeiro. Na Universidade de Lisboa saberemos estar à altura deste momento e resistir a medidas intoleráveis, sem norte e sem sentido. Não há pior política do que a política do pior." Lisboa, 9 de Abril de 2013 António Sampaio da Nóvoa Reitor, Universidade de Lisboa

Mrs T ou adoro quando um plano dá certo.

Ao ler os obituários "discernir que História, de quem e com que propósito torna-se fundamental".


segunda-feira, 8 de abril de 2013

Uma boa notícia. Este dia deixa-me feliz, mas com um certo sabor amargo... Não teria sido muito melhor se tivesse marchado com um tiro há 30 anos, ou assim como o Mussolini, de cabeça para baixo em Piccadily Circus? Isso sim, era para comemorar! http://www.jn.pt/PaginaInicial/Mundo/Interior.aspx?content_id=3153352

sábado, 6 de abril de 2013

tri-face, o livro


·        
   "Asdrúbal Rolando é tetraplégico."
·          
   "Januária Sousa confirmou que já lá ia ter."
·          
   "Arnaldo Legismilo acenou com a cabeça e foi tomar
     café"
·          
   "Januária Sousa comentou a opinião de Asdrúbal   
    Rolando"
·          
   "Asdrúbal Rolando adorou a apreciação de Arnaldo 
    Legismilo a Januária Sousa"
·          
   "Arnaldo Legismilo apreciou muitíssimo o
    comentário de Januária Sousa"

·          
   "Januária Sousa comentou uma foto de Arnaldo
    Legismilo"

terça-feira, 2 de abril de 2013

anuncio o título de um próximo texto que não está para breve. será construído às postas como ordena o fragmento, feito de passagens como impõe a toga, articulado como manda a lógica, circular como expõe o título e linear como condena a página. absurdo como afirma o mundo.

o restolho na era dos pós.