sábado, 30 de março de 2013

"No seu Livro do Desassossego, o poeta Fernando Pessoa, escrevendo na pele de Bernardo Soares (um dos heterónimos de Pessoa), recordou um dia frio de Primavera em Lisboa, com o céu negro ao sul do Tejo, um céu negro raiado de clarões brancos das asas das gaivotas em voo inquieto, um céu sinistramente negro que anunciava uma tempestade iminente. Numa hora tão vazia e imponderável, Pessoa escreveu:
«...Apraz-me conduzir voluntariamente o pensamento para uma meditação que nada seja, mas que retenha, na sua limpidez de nula, qualquer coisa da frieza erma do dia esclarecido, com o fundo negro ao longe, e certas intuições, como gaivotas, evocando por contraste o mistério de tudo em grande negrume"

david medalla, a arte de antónio sena, antónio sena - pintura / desenho 1964 - 2003.




não foi por isto que citei, mas também o old joy se pode reduzir àquelas palavras.

1 comentário:

sb disse...

e já agora, se algum dia alguém voltar a perguntar porque tem este blog um fundo negro, cite-se esta frase.