quinta-feira, 10 de novembro de 2011

notas para a narrativa maior - um xanax, por favor 2.1

dos 13 nomes apontados no cartaz um é mulher.

todos, senão me engano, são brancos.

todos, posso estar enganados, são parte da burguesia - como nós somos ou fomos*.

11, no mínimo, fizeram a sua carreira a partir de paris.

+não vou discutir o proletariado imaterial por agora. é um escape, diga-se.

2 comentários:

Anónimo disse...

parece-me uma distribuição social lógica. é que a arte, tal como a democracia, é burguesa. pelo menos aquelas em que estamos mergulhados.

sb disse...

diria quem nem a arte nem a democracia são burguesas. ou, melhor, não têm que o ser. mas é isso que quer dizer "pelo menos aquelas em que estamos mergulhados", ou seja, a narrativa maior.



dois pontos na narrativa maior até agora:

é burguesa

é reaccionária (por defender que toda a arte parte da perda e portanto da memória. e acentuar a perda, ao invés da memória, é ainda mais reaccionário.)


deixa-se a nota a reforçar: é a narrativa que assim é, não a arte. aliás, tal coisa não existe.