sábado, 2 de abril de 2011

"o meu primo"

Há tempos falei com uma webdesigner/precária muito simpática que estava determinada e de malas feitas para voltar a portugal: chamava-se Marta.
Falámos de um problema que nos atinge a todos, dessa forma fatal, como nos atinge o ódio a ira o amor e a paixão: as familias grandes e as solidariedades.

vou explicar a problemática do "primo":

Esta designer contou-me que a grande chatice de arranjar trabalho pago sempre foi a solidariedade e entreajuda nas famílias que têm todos os tipos de profissões consigo. Conseguir criar um logotipo para o site da empresa de alguém até é tarefa fácil, sugerir a remuneração...ah isso já nao sei: "o meu primo tem muito jeito para as artes, ele faz uns esboços bem bons ou melhores que os teus; lá na escola primaria ele até desenhava muito bem, era o melhor - agora gere uma agência funerária em Travassós de Cima".

Pobre Marta, não consegue convencer ninguém de que estudou e que está qualificada para a função, de que tem capacidade de analisar a empresa e sugerir um logotipo, que até se poderia transformar num sucesso de vendas e gerar colaborações futuras, um novo site, um quiosque, pontos de vendas mais atractivos, etc.
A Marta já esta em Lisboa, decidida a ser paga e a trabalhar para todos: família e desconhecidos. Nao se esqueçam de lhe dar razão. Paguem-lhe! (E contratem-na) O fiado já era.

Sem comentários: