segunda-feira, 14 de março de 2011

não sei é consequência do passado dia 12, mas finalmente uma greve como deve ser.

espero que dure duas ou três semanas. pelo menos eu amanhã - ou pensando melhor, depois de amanhã, mas estarei a tempo - vou abastecer a dispensa a pensar que bom será se não houver comida nos supermercados daqui por três semanas. se não houver combustível nos postos de abastecimento. e outros.

http://aeiou.expresso.pt/camionistas-vao-parar-as-0000-de-segunda-feira-por-tempo-indeterminado=f637333

7 comentários:

Anónimo disse...

isto não é bem uma greve. são os empresários a pedir ao governo mais flexibilidade laboral, e a utilizar os motoristas (aqueles que eles querem flexibilizar) para conseguir vitórias corporativas.

s.b. disse...

é isso. n há safa. estamos enfiados numa luta patroes-empregados. até pq uns não dependem dos outros e vice-versa. já n era tempo de acabar com essa leitura simples da realidade?

Anónimo disse...

não. é mesmo assim. os patrões querem ganhar mais uns trocos à conta de poder controlar por completo o horário de trabalho dos empregados. È mesmo simples: a União Europeia diz que se pode trabalhar até às 60 horas semanais.

Ainda mais simples: quantos portugueses morreram a lutar pelas 40 horas semanais?

Simples, simples: o patrão quer ganhar mais, o empregado obedece. Quem obriga? A UE, o PEC, ou as balas da GNR. Tanto dá!

Ainda mais simples: as empresas de transporte de mercadorias são o cartel mafioso mais organizado em Portugal, a seguir à Associação Nacional de Farmácias. Querem gasolina barata e empregados disponíveis 24 sobre 24. Tão simples quanto isso.

Mas ainda mais simples, será perguntar a um motorista. Ele próprio terá dúvidas, porque não compreende porque é que a GNR lhe fiscaliza sempre os discos de registo de velocidades, mas esquece-se sempre de fiscalizar o disco de registo das horas acumuladas de condução. Acha uma coincidência grande o patrão obrigá-lo a conduzir 15 horas seguidas, e a GNR nunca lhe ter pedido os ditos discos...

Anónimo disse...

a minha leitura da realidade é mesmo simples: é que nunca conheci outra realidade. eu trabalho para sobreviver. Obedeço. Outros investem capital para acumular. Mandam.

Eu sempre obedeci, outros sempre mandaram. Critérios únicos: dinheiro e índice de lambidelas de botas.

Em Portugal, e creio que não será só por cá, existe uma regra simples: se és inteligente e digno, serás sempre um zé ninguém. Pim.

s.b. disse...

bem. depois de rever a notícia, sim tens razão. o primeiro comentário mostra a coisa de forma simples.

o segundo, reforça e com óptimos argumentos.

o terceiro. bem. é uma perspectiva.

sb disse...

mas, já agora e porque não? porque não desobedeces?

Anónimo disse...

porque me lixo!
mas é um caso a pensar...