sexta-feira, 25 de março de 2011

mhhhhhhh

se o problema português é a dívida externa e se o nosso maior desequilíbrio é o energético, será q se poupavam uns milhões a desligar candeeiro sim/não? e por aí fora, que há uma série de medidas do género que já foram postas em prática vastas vezes. sei lá, impedir, do dia p a noite, a circulação de automóveis ligeiros entre as x e as y, durante o dia...etc, etc, etc, etc, etc. já nem digo que deviamos comer presunto e queijo dos açores ao almoço e jantar e umas azeitoninhas ao lanche. isto pq outro desiquilibrio importante é o alimentar.

foi só mais um achismo,mas deve ser bem mais espertalhaço que aumentar iva.

4 comentários:

Zé Miguel disse...

chego agora da holanda, terra de dimensão aproximada à nacional, mas onde o comboio chega a todo o lado, circula entre qualquer cidade média de 15 em 15 minutos e as pessoas andam de bicicleta.

além disso exportam comida que se fartam.

Anónimo disse...

A questão não é restringir circulação a determinadas horas, mas sim perceber se, efectivamente, é necessário que haja circulação de transporte individual a qualquer hora. Porquê apenas algumas horas? É mesmo preciso andar de carro no meio de Viseu ou do Porto? Porque razão?

Por coincidência, acabei de fazer uma intervenção na Assembleia Municipal a apelar à restrição faseada dos transportes privados de passageiros, até à interdição total em toda a cidade a médio prazo.

E no entanto tenho dois carros, que utilizo frequentemente: é que não se conhece nenhuma forma alternativa de chegar à Guarda ou de percorrer distâncias médias dentro do meu concelho. Tudo o que esteja a uma distância de mais de 5 km obriga a uma viagem de carro.

Não há um autocarro, um comboio regional, um metro de superfície, mini-bus, taxis comportáveis, nada!… Nem mesmo ciclovias ou sequer simples passeios para se ir a pé!.

Só há uma forma conhecida de ir até à Guarda em horário de trabalho: de carro pela auto-estrada, e mesmo assim, agora vai ter portagens…

Isto só vai lá com terapia de choque. Gasóleo a 10 euros o litro já amanhã, e íamos ver se as coisas não mudavam…

Quanto aos produtos alimentares, os Verdes têm feito uma campanha pública engraçada, que se chama “Produzir Nacional! Consumir Local! Comer Melhor!” e que tem outdoors espalhados por todo o pais. De facto, a única verdadeira vantagem que vejo na globalização é poder comer as Mangas-Avião que vêm da Venezuela… Mas até isso se podia dispensar: é que Portugal mantém 3 colónias que nos oferecem um rico sortido de frutas sumarentas - quem tem a Banana da Madeira, o Ananás dos Açores e a laranja (e o tomate) do reino dos Algarves não precisa da OMC para nada! Os alemães e os ingleses que façam estufas!

jp

Mariana Felismina disse...

os holandeses comem sandes ao pequeno almoco, e ninguem se inibe de levar o tupperware para o trabalho.

Anónimo disse...

Aí está um nível de civilização a que nunca chegarei: o tupperware no local de trabalho. Ontem almocei uma bela sopa da pedra cheia de enchidos. Nem um produto importado! Vinho tinto, e no fim, farófias. Quem tem morcelas não precisa da OMC .