sexta-feira, 12 de novembro de 2010

na semana em que uma manifestação não foi autorizada para não incomodar a conversa entre primeiros ministros português e chinês, aconteceu um massacre no Saara Ocidental e da tão falada europa dos valores judaico-cristãos nem uma palavra. Do governo português já nem se fala.

É triste ser-se pobre, viver-se em crise e não se poder abrir a boca com medo de represálias económicas. Foi com este tipo de hipocrisia que na realidade aqui chegámos. As ideias passaram a estar reféns dos mercados abertos e da boa disposição dos convidados de circunstância, como o referido chinês. Isto sim é a globalização.

5 comentários:

s.b. disse...

ou então como no outro dia, quando o mesmo PM chinês passeava de carro me Paris e um conjunto de manifestantes a favor da libertação do mais recente prémio nobel da paz foi expulso à pancada.

que não se intervenha na china, aplaudo. eles que se entendam. que não se intervenha em angola, aplaudo. eles que se entendam. que se deixe estas manifestações serem reprimidas em solo europeu é que não! tal como as dos espanhois, por alturas da visita do papa.

é que eu nasci e cresci numa europa ocidental que mostrava os acontecimentos de tiananmen como, precisamente, aquilo que não poderia acontecer na europa.

afinal a lição era outra: isto é o que vais ter que fazer. isto é ao que te vais sujeitar.

Anónimo disse...

puta que pariu os judaico-cristãos

s.b. disse...

e se a nato fosse o braço armado do fmi?

Anónimo disse...

eu pensava que era. não é?

e acho que está cheia de judaico-cristãos.

s.b. disse...

talvez não seja assim directamente. mas engana bem. de qualquer forma, se são judaico-cristãos, então puta que os pariu também.