segunda-feira, 27 de abril de 2009

atenção aos leitores:
a letra aparecida a vermelho, diz-se por aí, é má educada. a letra escrita a vermelho é violenta. a letra a vermelho alude ao sangue.
a letra a vermelho, como todas as letras desenhadas com a cor que bem convém a quem a escreve, insurge-se hoje contra a injustiça que lhe é feita. a letra a vermelho afirma que, a partir de 27 de abril de 2009, 35 anos e dois dias depois da revolução que trouxe a liberdade a portugal, 34 anos e dois depois da transição que levou a liberdade a espanha e 64 anos e dois dias depois da liberdade chegar à itália, não mais se sujeitará às restrições impostas por convenções alheias. a letra vermelha, agora apenas vermelha por condição própria e por ser a cor que orgulhosamente ostenta, não se considera mais desenhada, escrita ou aparecida a vermelho. a letra vermelha é vermelha por inteiro. a letra vermelha não é só letra da qual o vermelho é roupagem. a letra vermelha veio vermelha ao mundo e assim se assume. a letra vermelha recusa a indignação alheia por não responder ao alheio com a sua indignação senão pelo exaspero que a indignação alheia çhe provoca. a letra vermelha exige, neste momento, o tratamento por letra-vermelha. a letra-vermelha não é o seguimento de dois termos, é um só termo. a letra-vermelha é letra e é vermelha na sua essência e afirma a sua essência porque não é uma linha e uma cor mas um uma linha de cor. a letra-vermelha não é vermelha de manhã e preta à tarde e se o for é porque muito bem entendeu. a letra-vermelha exige, contra ameaça de greve aos exames nacionais e outras provas de avaliação, contra ameaça de greve aos cartazes que a ostentam, contra ameaça de greve às matrículas dos carros dos corpos diplomáticos, agradecendo desde já a solidariedade dos números-vermelhos e chamando a atenção à sua causa que é também a nossa, e contra ameaça de greve a todo o logotipo que não se mostrar solidário com a nossa causa, exige ser cabeçalho de todos os documentos oficiais a partir do próximo dia 1 de maio de 2009. a nossa causa é a mãe de todas as causas por defender a igualdade entre as letras e no dia em que a nossa exigência for satisfeita partilharemos o nosso lugar mediante decisão em plenário universal de letras de quais os documentos com cada letra-cor. a letra-vermelha apela ao levantamento geral contra os professores que atiçam as mentes dos jovens desenhadores de letras contra a sua existência porque a negação da letra-vermelha é a afirmação condicionada da letra-azul. a letra-vermelha é, agora, uma letra consciente da sua condição e a sua condição é relativa à condição de todas as outras letras-cor. letras-cor de todo o mundo, uni-vos.

Sem comentários: