quinta-feira, 26 de junho de 2008

o mercado

Cheguei agora de uma apresentacao do conselheiro do barack obama para as alteracoes climaticas. E' velhote e sabe da coisa. Disse coisas engracadas (so vou escrever as curiosidades, porque o resto foi dificil entender, e' demasiada economia politica):
1. que o recem criado mercado de carbono fez subir o preco da reducao de uma tonelada de emissoes de 10 centimos para 9 euros. Por um lado e' um bom sinal, sinal de que o mercado valoriza este produto, por outro e' um grande desperdicio, porque objectivamente se esta' a gastar mais dinheiro devido a uma distorcao introduzida por especulacao.
2.que as politicas internas dos paises ja previam um crescimento dos investimentos em energias renovaveis (para aliviar a dependencia no petroleo ou por razoes de seguranca energetica) *antes* do protocolo de quioto. Isto significa que o mercado de carbono subsidia investimentos que ja estavam previstas e que seriam implementadas mesmo sem protocolo de quioto. Esta' a haver portanto um desperdicio de creditos em offsetting das emissoes.
3. por ultimo e tambem muito interessante, que num contexto de politicas internacionais, a questao climatica e' um guarda-chuva para uma serie de outras politicas menos sorridentes: o que era antigamente seguranca energetica passou a chamar-se medidas de mitigacao das alteracoes climaticas, por exemplo. Quem constroi uma central nuclear hoje em dia, ou constroi uma barragem que tapa a agua ao vizinho, fa-lo por "boas"razoes, a pensar no clima. Tambem se aplica 'as politicas industriais, com a dinamarca a aproveitar-se das alteracoes climaticas para se impor no mercado de producao de turbinas eolicas mundial. E' obvio que os dinamarqueses vao tentar pintar o quadro ainda mais negro (apesar de ja estar cinzento escuro).

pronto, hoje estou numa de partilha, e depois?

Sem comentários: